GOVERNO DA PARAIBA




> NOTÍCIA


Publicado em 07/03/2018 08h14

Petista espera que STF mude de posição para adiar prisão

Petista espera que o STF mude o entendimento em relação à prisão após condenação em segunda instância

Ouça o áudio:  Petista espera que STF mude de posição para adiar prisão

Após o STJ negar, por unanimidade, o pedido de habeas corpus preventivo de Lula, o advogado do ex-presidente, Cristiano Zanin, divulgou nota em que afirma esperar que o STF mude o entendimento em relação à prisão após condenação em segunda instância. No julgamento de hoje, os ministros do STJ enfatizaram a necessidade de seguir a decisão do STF, atualmente vigente, que permite que condenados em segunda instância sejam presos. Alguns ministros do próprio STF, no entanto, vêm decidindo em desacordo com o Tribunal. 
 
Leia abaixo a nota do advogado de Lula: 
 
O julgamento realizado hoje (06/03) pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) mostrou a importância de o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar o Habeas Corpus que impetramos em 02/02 e que aguarda ser pautado desde 09/02. Os Ministros do Superior Tribunal de Justiça reconheceram que atualmente Ministros do Supremo Tribunal Federal têm proferido decisões na linha sustentada pela defesa do ex-Presidente Lula, ou seja, proibindo a execução antecipada de pena especialmente nos casos em que os recursos a serem analisados pelos Tribunais Superiores têm real perspectiva de acolhimento para absolver o réu ou para decretar a nulidade do processo. No entanto, os julgadores do STJ entenderam que ainda estão obrigados a seguir o procedente de 2016 do STF, que permitia a execução antecipada da pena, mesmo com a real possibilidade desse entendimento estar superado pelas recentes decisões de ministros da Suprema Corte. A condenação imposta a Lula pelo Tribunal Regional Federal da 4a. Região é ilegal e emitida em processo marcado por claras nulidades, como demonstrado pela defesa do ex-Presidente durante todo o processo. Esperamos, portanto, que a presidência do STF coloque em pauta o Habeas Corpus já impetrado, a fim de assegurar a aplicação da Constituição Federal que somente permite o afastamento da presunção de inocência – e a consequente impossibilidade de antecipação do cumprimento de pena – na hipótese de decisão condenatória contra a qual não caiba qualquer recurso (transitada em julgado).”Cristiano Zanin Martins


TAGS
    Nenhum resultado encontrado.
COMENTÁRIOS
Bookmark and Share
Assembleia TV TSPB Rádio TSPB 100.5

Colunistas

Categorias

Facebook

Twitter

Vídeos

Parceiros

    Nenhum resultado encontrado.